A situação de Jackson Barreto não é fácil, afirma José Carlos Machado

- Alexandre Pingo - - 21 de agosto de 2017 | - 10:58 - - Home » Política - - Sem Comentários

Em entrevista ao radialista Gilmar Carvalho, nesta segunda-feira, 21, o ex-deputado federal José Carlos Machado falou sobre temas importantes da política como um todo.

Questionado sobre a possibilidade de fusão dos dois fundos de Previdência, Finanprev e Funprev, ele afirmou não acreditar que essa seja a solução para o déficit previdenciário do Estado.

“Há poucos meses, autorizado pela Alese, o Funprev emprestou recursos para o Finaprev, o que mostra a situação de cada um. É como se houvesse duas empresas, uma falida e uma capitalizada. O resultado tem que ser positivo. Mas vejo como uma medida inócua”, analisa Machado.

Para Machado, nem a legalidade nem a economicidade estão sendo levados em conta. “Embora eu entenda que a situação previdenciária de Sergipe seja grave. Não é fácil gerir um fundo de previdência como eles estão. Outros Estados passam pelo mesmo problema. Então, seria o caso de avaliar a questão na Alese”, sugere.

Segundo Machado, não adianta procurar culpados, mas sim analisar o tema para se chegar a uma alternativa e não deixar que o quadro seja piorado. “Porque a tendência é essa, já que a cada mês chegam novas aposentadorias. O que entra é sempre menos do que o que sai. Houve muitos excessos e privilégios”, ressalta.

Por isso, a reforma da Previdência deve ser feita de forma gradual, com muita discussão. “E ela passa, inicialmente, pela determinação de uma idade mínima”, destaca.

Aproveitando a passagem do ex-presidente Lula por Sergipe, ele chamou a atenção para a necessidade de retomada dos projetos de revitalização do Rio São Francisco.

“A passagem de Lua é uma ótima oportunidade para retomar essa discussão, porque o ex-presidente foi muito claro ao anunciar, na época, os projetos de revitalização que, até hoje, não se concretizaram”, justifica.

Segundo Machado, a Codevasf chegou a anunciar a realização de dez obras em municípios ribeirinhos. Mas muito pouco foi feito. “O São Francisco é nosso maior patrimônio, não podemos deixá-lo morrer. Se isso acontecer, teremos sérios problemas com abastecimento em Sergipe”, alerta.

Além da revitalização, o ex-deputado federal também citou outros projetos importantes para o Estado de Sergipe, como a exploração da Carnalita, a duplicação da BR-101 e o Canal de Xingó.

Ex-prefeito de Aracaju, Machado também falou sobre a relação da Prefeitura com hospitais – São José, Santa Izabel e Cirugia. “É extremamente tumultuada, principalmente com o Cirurgia. Há interesses que não estão bem esclarecidos. Há uma insatisfação de ambos os lados”, define.

Voltando ao tema da passagem de Lula, Machado classificou inteligente a postura do governador Jackson Barreto, que, vaiado na recepção ao ex-presidente, transformou a reação em aplausos para Lula. “A situação dele não é fácil. O coração tende para o Lula. Mas o direcionamento do partido é outro. Mas vai perder o PMDB para quem? O partido está profundamente desgastado”, pondera.

Para concluir a entrevista, Machado falou sobre seus planos de se candidatar no próximo ano. “Trabalho para ser candidato, é claro que enfrento algumas dificuldades, que quem tem mandato tem mais facilidade. Não posso me aventurar, por isso, estou esperando as definições da reforma eleitoral”, afirma.

Por Tanuza Oliveira/FaxAju

Enium Soluções Digitais

Deixe seu comentário!

Para: A situação de Jackson Barreto não é fácil, afirma José Carlos Machado

Deixe uma resposta