Coordenadora de CREAS é processada criminalmente por promotora por se negar a realizar investigação de suposta prática de estupro

- Alexandre Pingo - - 25 de março de 2019 | - 12:04 - - Home » Cidades» Nossa Senhora da Glória» Notícias - - Sem Comentários

Movimentos sociais e Frente Estadual em Defesa do SUAS realizam ato em solidariedade à profissional, na manhã desta terça, durante audiência do caso, no Fórum do Marcos Freire II

Entre as atribuições do profissional de serviço social que atua na política de assistência social estão o acompanhamento familiar e individual, o acolhimento e o encaminhamento de vítimas de violência e de suas famílias. Mas, no município de Nossa Senhora do Socorro a assistente social Lorenna Bastos, que atualmente coordena o Centro de Referência Especializado em Assistência Social (CREAS) MARCOS FREIRE I, está sendo processada civil e criminalmente por ter se negado a realizar procedimentos de oitiva, investigação e averiguação de uma suposta prática de estupro contra vulnerável.

Quem move a ação contra a profissional é a promotora substituta Silvia Leal Albuquerque, da 2a. Vara Criminal de Nossa Senhora do Socorro, alegando desobediência. O Sindicato dos Servidores Públicos Municipais e a Secretaria Municipal de Assistência Social estão acompanhado o caso. O presidente do Sindicato, José Elias da Silva, estará presente no ato para prestar solidariedade e cobrar justiça para o caso.

A fim de prestar solidariedade à profissional e de reafirmar a defesa do SUAS, a Frente Estadual em Defesa do Sistema Único de Assistência Social (SUAS), movimentos sociais e sindicais realizam um ato público nesta terça-feira, 26, quando ocorrerá a primeira audiência do caso. A manifestação acontece às 9h e 30 min, em frente ao Fórum de Justiça Pedro Barreto de Andrade, localizado na Av. Coletora, no Marcos Freire II, em Nossa Senhora do Socorro.

“Os procedimentos exigidos pela promotora à profissional não condizem com as atribuições profissionais do cargo exercido por ela. Como a atribuição não compete ao CREAS, exigir que o órgão realize-as fere frontalmente as normativas do MDS E SNAS”, destaca Itanamara Guedes, dirigente da CUT Sergipe e presidenta da FETAM Sergipe, entidade que integra a Frente SUAS.

Em ofício emitido pelo CREAS no momento da cobrança da promotora, antes mesmo do caso ser judicializado, a assistente social explicou que iria encaminhar o caso para investigação para a DAGV. “A DAGV é o órgão capacitado tecnicamente para realizar a demanda solicitada pela promotoria”, explica Lorenna Bastos, ré no processo.

Ela explica que diante da investigação realizada, a técnica do CREAS passou a acompanhar a família da vítima, emitindo relatório e encaminhando reposta à Promotoria. “Fiz o que preconizam as legislações do SUAS. Não infringi nenhuma Lei ou normativa, agi ética e profissionalmente”, apontou Lorenna.

“Exigir que a profissional realize este tipos de procedimento no âmbito do CREAS é desvirtuar completamente o papel do Sistema Único de Assistência Social, que já vem sendo alvo de ataques por parte do poder público. Mais do que nos solidarizar à colega Lorenna Bastos, estamos denunciando a tentativa de deslegitimação do SUAS”, avaliou André Dória, conselheiro do CRESS Sergipe, entidade de classe dos Assistentes Sociais e que também integra a Frente Suas.

“O que está em cheque são nossas atribuições profissionais. Não podemos permitir que passem por cima de nossos afazeres profissionais dentro do SUAS”, completou Lorenna.

Colégio Atena
Enium Soluções Digitais

Deixe seu comentário!

Para: Coordenadora de CREAS é processada criminalmente por promotora por se negar a realizar investigação de suposta prática de estupro

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *