Encontro Estadual de sementes do Semiárido propõe fomento do uso de sementes crioulas em Sergipe

- Alexandre Pingo - - 21 de maio de 2019 | - 9:53 - - Home » Cidades» Nossa Senhora da Glória» Notícias - - Sem Comentários

Imagem da internet

Sementes crioulas são variedades desenvolvidas, adaptadas ou produzidas por agricultores familiares, assentados da reforma agrária, quilombolas ou indígenas. Passadas de geração em geração, essas sementes carregam a história de comunidades inteiras, geram renda com dignidade aos agricultores familiares e levam à mesa da população alimentos socialmente responsáveis e saudáveis, sem o uso de agrotóxico.

Para promover o diálogo sobre os avanços e dificuldades na utilização das sementes crioulas, estimular sua utilização, promover a troca de experiências locais e, sobretudo, fomentar a criação de uma nova rede de sementes crioulas em Sergipe, será realizado o Encontro Estadual de Sementes do Semiárido.

O evento acontece nesta quarta e quinta-feira, 22 e 23 de maio, das 8h às 18h, no Hotel Orion, localizado na Av. Urbano Neto, 121, Coroa do Meio, em Aracaju. O encontro reunirá agricultores/as, pesquisadores/as, gestores/as, representantes de ONGs e movimentos sociais que atuam no campo da agroecologia.

A iniciativa é do Programa Sementes do Semiárido, executado pelo Centro Dom José Brandão de Castro (CDJBC), em parceria com a Articulação do Semiárido Brasileiro (ASA) e apoio da Fundação Banco do Brasil.

Bastante vasta, a programação do encontro inclui mesas redondas, exposições e debates sobre temas como convivência com o semiárido, a Lei estadual de agroecologia, a lei de sementes e o protagonismo das mulheres na discussão de sementes em Sergipe.

Entre os debatedores confirmados estão Alexandre Pires, Presidente Nacional da Articulação Semiárido Brasileiro (ASA); João Alexandre, coordenador da ASA Sergipe; e dos coordenadores do Centro Dom José Brandão de Castro. Também participarão do encontro representantes da Secretaria de Estado da Inclusão, Assistência Social e do Trabalho (SEIT), da EMBRAPA e da Rede Sergipana de Agroecologia (RESEA).

No segundo dia de encontro, quinta-feira, 23, serão apresentados resultados de testes de Transgenia no âmbito do Programa Sementes do Semiárido, realizados pelos técnicos do programa por meio do Centro Dom José Brandão de Castro.

O evento será encerrado com uma feira de produtos agroecológicos e de sementes crioulas e um flash mob, com o objetivo de chamar a atenção da população para os perigos do uso de agrotóxicos e de sementes transgênicas, e apontar como alternativa a eles, o uso de sementes crioulas. As duas atividades acontecem simultaneamente na Praça Fausto Cardoso, a partir das 14h do dia 23.

Sobre o Programa Sementes do Semiárido

Para ampliar a proposta de convivência com o Semiárido, a ASA lançou em 2015 um programa que reforça a cultura do estoque das sementes crioulas e busca resgatar seu uso e recuperar sua qualidade genética.

O Programa de Formação e Mobilização Social para a Convivência com o Semiárido: Manejo da Agrobiodiversidade – Sementes do Semiárido tem sua concepção assentada no reforço das estratégias de resgate e valorização do patrimônio genético, através do fortalecimento das práticas já existentes de auto-organização comunitárias.

Assim, mais do que garantir infraestrutura para estocar água para beber e produzir, as famílias são apoiadas na sua prática de guardiães das sementes crioulas, no âmbito do programa, que garante a construção de uma casa coletiva, com 1 banco de sementes para cada comunidade atendida. Em Sergipe, o programa é executado pelo Centro Dom José Brandão de Castro, em parceria com a ASA e a Fundação Banco do Brasil.

Sementes crioulas

Entre as vantagens das sementes crioulas estão a fácil adaptação às condições específicas das regiões, a alta variabilidade genética, a seleção e melhoramento genético realizados pelas famílias agricultoras, além do manejo e produção sustentável, com o conceito de imitar a prática da natureza e otimizar o agro-ecossistema.

Outra vantagem das sementes crioulas é o alto teor nutricional dos alimentos produzidos por meio delas. Assim, esse tipo de semente desempenha um papel fundamental na garantia da soberania alimentar, pilar que coloca como destaque o direito dos povos a alimentos nutritivos e culturalmente adequados, acessíveis, produzidos de forma sustentável e ecológica.

Transgênicos

Apesar se serem alardeadas como altamente resistentes a pragas e com resultados de produção superiores, as sementes modificadas e criadas nos laboratórios – chamadas transgênicas – têm em seu plantio o uso de agrotóxicos e fertilizantes, que prejudicam diretamente tanto a saúde do/a agricultor/a familiar quanto do consumidor do produto final.

No âmbito do Programa, já foram aplicados 60 Testes de Transgenia, sendo que 50% das Sementes testadas sofreram contaminação, fazendo com os/as agricultores/as que armazenavam suas sementes perdessem o controle da qualidade de sua produção, colocando em xeque a continuidade de seu plantio com segurança alimentar.

O que: Encontro Estadual de Sementes do Semiárido
Quando: Quarta-feira, 22, 8h
Onde: Hotel Orion
Fontes:
Alexandre Pires (coordenador nacional da Articulação do Semiárido Brasileiro – ASA)
Alex Ferdele (coordenador do Programa Sementes do Semiárido e do CDJBC)

Confira a programação completa do Encontro Estadual de Sementes

Quarta-feira – Dia 22

8h: Credenciamento

9h: Mística de Abertura

9:30h Mesa de abertura

10h Mesa Redonda: A convivência com o Semiárido e o Programa Sementes

· Alexandre Pires – Presidente Nacional da Articulação Semiárido Brasileiro (ASA)
· João Alexandre – Coordenador da ASA Sergipe
· Tatiana Canuto – SEIT
· Mediação: Alex Federle e Joilda Aquino (CDJBC)

11:30: Feedback sobre a situação da Lei Estadual de Agroecologia e o processo de retomada da discussão sobre a Lei de Sementes

· Jorge Rabanal – Representante da RESEA

12:30h: Almoço

14h: Análise de Conjuntura

. Rose Rodrigues (Ex-Secretária de Agricultura de Sergipe)
. Thaís Moura – Movimento de Pequenos Agricultores (MPA)

14:40h: Debate e considerações finais dos/as debatedores/as

15:45h: Lanche

16h: Mesa redonda: O Protagonismo das Mulheres na Discussão de Sementes no Estado de Sergipe

Debatedoras:
. Daniela Bento (ASA),
. D. Josefa (Agricultora e Quilombola)
. Elielma Vasconcelos – MPA
. Zilda Marina da Silva – Movimento de Mulheres Trabalhadoras Rurais (MMTR/SE)

Mediação: Maria Milena

17:40h: Inova Social

· Amaury da Silva dos Santos – EMBRAPA

19:30h: Jantar e Noite Cultural

Dia 23 quinta-feira

8h: Retomada com dinâmica e música

8:20h: Apresentação do Congresso Brasileiro de Agroecologia (CBA)

· Camila Rocha – CDJBC

9h: Testes de Transgênica (discussão técnica)

· Camila Rocha – CDJBC

9:40h: Painel de Experiências:

Apresentação dos Resultados dos Testes de Transgenia no âmbito do Programa Sementes do Semiárido
· Camila Rocha – CDJBC
Mapeamento da Diversidade e Estoque de Sementes das Casas
· Maria Milena Ferreira (CDJBC)
Constituição da Rede de Sementes do Semiárido Sergipano
· Alex Federle (CDJBC)

12h: Almoço

14h: Flash Mob e Feira de produtos agroecológicos e de sementes crioulas

Por Débora Zoe

Enium Soluções Digitais

Deixe seu comentário!

Para: Encontro Estadual de sementes do Semiárido propõe fomento do uso de sementes crioulas em Sergipe

Deixe uma resposta