Nudestarter é site brasileiro que quer organizar ‘vaquinhas’ para nudes

- Alexandre Pingo - - 6 de fevereiro de 2017 | - 11:26 - - Home » Tecnologia - - Sem Comentários

As pessoas compartilham nudes de graça, por que não ganhar dinheiro com isso?” Esse é um dos motes do Nudestarter, um site brasileiro que quer organizar “vaquinhas” na web para aquele ou aquela famosinha do Instagram (ou do Twitter, ou do YouTube, ou da vida real) mandar nudes.

Encabeçado por Gabriel Cantarin, de 22 anos, um jovem empreendedor do interior de São Paulo, o Nudestarter veio à Campus Party 2017 para divulgar seu projeto, atrair usuários, modelos e é claro, investimentos. A página está no ar há 2 meses.

O nome parece polêmico, mas o site não pretende compartilhar fotos íntimas de desavisados. Segundo Cantarin, o objetivo é oferecer “uma plataforma aberta para qualquer um que tiver interesse em fazer um ensaio sensual”.

“Selecionamos alguns ‘cases’ de empresas e observamos porque umas vendem mais e outras menos. Então comecei a pensar na ‘Playboy’, que na época estava mudando o modelo de negócios”, diz Cantarin, que surgiu com o Nudestarter após um curso de empreendedorismo na região de San Mateo (EUA), no Vale do Silício.

“Ela trabalha no padrão de beleza normal, mas os gostos mudaram. As pessoas têm fetiches diferentes”.

O Nudestarter funciona no esquema de “crowdfunding”, ou financiamento coletivo. A pessoa vai lá, se cadastra no site e determina um valor mínimo para que sua sessão de nudes seja produzida. Homens, mulheres e trans são aceitos.

“Quem gosta daquela pessoa, os seguidores, os amigos, pagariam por isso. Se ela não atingir o valor, eu devolvo todo o dinheiro. Se atingir, ela produz o ensaio e eu mando o conteúdo para quem pagou. E o dinheiro para ela. Os riscos são menores”, conta Cantarin.

Ele diz que, atualmente, o Nudestarter tem 12 projetos ativos, de um total de 25 já confirmados e que ainda não foram ao ar. “Agora, com a Campus Party, depois dos novos contatos que fizemos, inclusive com algumas youtubers, o número deve subir bastante”.

 
Modelos do Nudestarter estipulam valor mínimo para que sessão de nudes seja produzida (Foto: Bruno Araújo/G1)

Modelos do Nudestarter estipulam valor mínimo para que sessão de nudes seja produzida (Foto: Bruno Araújo/G1)

Nude é coisa séria

A divulgação não autorizada de fotos íntimas, ou dos nudes, porém, é um problema crescente em tempos intensos de Facebook e WhatsApp. Mas Cantarin se mostra seguro que as duas esferas não irão se misturar com o Nudestarter.

“Apesar de nude ser a primeira frase do site, sabemos que o usuário não posa por dinheiro. Ele posa porque tem uma fantasia. Não estamos falando só de nu, mas também do sensual. O dinheiro é um extra que vem se a pessoa quiser. Talvez ela só queira o dinheiro para pagar o ensaio”.

“Temos o caso de uma pessoa que abriu um o projeto e pediu R$ 1 mil de cada apoiador porque ela já sabia que todos iriam topar. Ela ia divulgar para os amigos”.

Mas o empreendedor também manda nudes? “Às vezes a gente brinca (risadas)”, diz Cantarin, que irá retomar em fevereiro agora os estudos de Análise e desenvolvimento de sistemas na Fatec de Taquaritinga, interrompidos pelo empreendedorismo.

“Para não acontecer igual ao que aconteceu com o Eike”, brinca.

Fonte: G1

Enium Soluções Digitais

Deixe seu comentário!

Para: Nudestarter é site brasileiro que quer organizar ‘vaquinhas’ para nudes

Deixe uma resposta