PT define Rogério Carvalho para reeleição do partido e como nome para o Senado; João Daniel e Marcio Macêdo para Câmara Federal.

- Alexandre Pingo - - 25 de fevereiro de 2017 | - 1:26 - - Home » Cidades» Nossa Senhora da Glória» Notícias - - Sem Comentários

Foto: Aquivos da internet

O golpe de Estado perpetrado no Brasil em 2016 pela maioria conservadora do Parlamento, pela mídia oligopolizada, por setores do Poder Judiciário, Ministério Público e Polícia Federal, teve como objetivo plasmar e efetivar um programa antipopular e antinacional derrotado nas urnas em 2014, com base na ampliação dos padrões de lucratividade do capital. Essa foi a resposta que as elites brasileiras e suas representações políticas encontraram para subordinar a política econômica nacional aos pressupostos do programa neoliberal em sintonia com a tendência mundial da atual fase do capitalismo, de concentrar e exportar capitais, ampliando a financeirização e o rentismo da economia, seguindo a lógica da globalização; 

Muito mais que conspirar e insuflar a busca constante de desestabilização política e econômica do Governo democraticamente eleito, quebraram o pacto social construído pela Constituição de 1988, criando as condições e possibilidades para desmantelar todas as conquistas sociais dos últimos treze anos, que melhoraram a qualidade de vida da maioria da população brasileira e reduziram a pobreza e as desigualdades sociais. O projeto político do golpe inclui a retirada de direitos, a diminuição das liberdades democráticas e a criminalização dos movimentos sociais;

 A esquerda, os movimentos sociais e as forças democráticas têm reagido ao golpe institucional no espectro de forças de centro-esquerda no Congresso Nacional, em manifestações conjuntas e em milhares de atos espalhados pelo Brasil e outras partes do mundo, estabelecendo um campo de denúncias e lutas pela necessidade de volta à legalidade e à normalidade democráticas contra os ataques e a retirada de direitos. A criação das Frentes Brasil Popular e Povo Sem Medo, o papel de protagonismo da CUT, CTB, do MST, do MTST, da CMP, de intelectuais, artistas, de estudantes, de mulheres desnudam o viés autoritário e conservador das pautas políticas estabelecidas pelo governo ilegítimo de Michel Temer e seus acólitos;

Em ultima instância, a agenda que unifica as forças Golpistas é a tentativa de desconstruir o Partido dos Trabalhadores junto à sociedade e, agindo assim, inviabilizar e, se possível, destruir o PT e o conjunto da esquerda brasileira. Associado a esse fenômeno, destacamos certa incapacidade, dificuldade do partido, em dialogar com a sociedade e seus novos atores sociais, na medida em que houve uma burocratização do partido, fendido e subsumido entre as dinâmicas eleitorais externas e internas, o que ocasionou, também, um afastamento das pautas da organização das lutas sociais;

Ainda, dentro do quadro de uma reorientação profunda na estratégica do PT, será preciso recuperar a centralidade da linha programática do partido, na medida em que foi relativizada, muitas vezes em função das contradições objetivas das circunstâncias relativas à garantia da governabilidade, tanto nos parlamentos quanto nos Executivos. As contradições e dilemas estabelecidos entre partido, governos e movimentos sociais, apontaram para o esgarçamento do partido, custando-lhe, também, autonomia, na medida em que representou dificuldades em preservar seu horizonte estratégico e implementação do programa político. Qual a agenda que o PT consegue apresentar para Sergipe e para o Brasil? Tudo isso vai acontecer através de debate com as bases, formadas pelos militantes do partido, com os movimentos sociais, com as novas juventudes e trabalhadores, empreendedores, empresários, homens, mulheres e toda a diversidade da sociedade brasileira.

Nas eleições de 2016, nacionalmente, o Partido dos Trabalhadores teve dramática redução em seu número de prefeitos, vice-prefeitos e vereadores. Mas, apesar disso, em Sergipe, o partido conseguiu eleger 3 dos 5 prefeitos que disputaram o pleito. No campo legislativo, saiu de 32 vereadores das eleições de 2012 para 34 vereadores em 2016 e conseguiu firmar alianças vitoriosas em 40 municípios, dos 75 que formam nosso estado. Em Sergipe, o partido não reduziu de tamanho, o que mostra o vigor de sua militância e a força do legado da sigla. Isso não deve servir de ponto de acomodação, ao contrário, devemos crescer mais para aumentar nosso protagonismo em nossas bandeiras históricas em favor da sociedade e do conjunto dos trabalhadores e trabalhadoras do nosso Estado e do nosso País;

Portanto, precisamos fortalecer, a partir da mais ampla unidade partidária, a unidade da esquerda e das forças progressistas da sociedade, com o objetivo de ampliar a oposição ao programa neoliberal em curso e as lutas em defesa dos direitos do povo brasileiro.

Para avançar mais, O PT deverá fortalecer, dentro de uma nova plasticidade da política, um trabalho molecular de diálogo e organização junto aos trabalhadores, reafirmando o compromisso, sobretudo, com a juventude e com as organizações que dialogam na vida real, ou no ciberativismo, de forma mais horizontalizada e em sintonia com as diversas organizações dos movimentos sociais progressistas. Um elemento fundamental nesse novo cenário é a pactuação de uma grande mudança interna no PT, com renovação, ousadia, oxigenação e atualização geracional. Um ponto necessário é o partido reaprender a conviver com seu novo papel enquanto força política, em total sintonia com o povo brasileiro, fortalecendo os vínculos com a mobilização popular;

 A atual gestão do Partido dos Trabalhadores em Sergipe completou 4 anos enfrentando o momento mais difícil de sua história. Mas, apesar das enormes dificuldades impostas, tanto internamente – com o boqueio do fundo partidário, que impôs sérias restrições de ações – quanto externamente – na feroz campanha de criminalização do partido e de suas lideranças promovida pela mídia -, a gestão de Rogério Carvalho conseguiu organizar o PT em 74 Municípios e realizar vários seminários de organização e encontros, permitindo, assim, a locução da militância e dos movimentos sociais dentro do partido, inclusive, com participação em suas instâncias, democratizando os espaços e preparando novos atores e novas narrativas na permanente busca de oxigenação do Partido dos Trabalhadores;

O Partido dos Trabalhadores deve, como outra de suas tarefas fundamentais, o inadiável desafio de rever sua estrutura organizativa, dinamizar suas instâncias, suas políticas de comunicação e de formação, para que, como partido de massas, reafirme um programa voltado para a defesa dos interesses do seu povo, portanto, da justiça social, da liberdade, do fortalecimento da democracia e da soberania nacional. No momento mais difícil da sua historia, o PT tem diante de si a necessidade de empreender uma revisão de seu papel enquanto partido de esquerda;

O PT tem uma história de luta e de serviços prestados em favor de uma vida mais digna para a maioria da população brasileira. Sobretudo, porque transformamos, historicamente, agendas dos movimentos sociais e da sociedade em pautas das políticas públicas implementadas por seus governos. Do início da década passada até maio de 2016, vivemos num país com mais oportunidades, com mais igualdade social, mais participativo e com mais transparência e controle da gestão pública. Na maior crise de nossa história, ninguém defenderá melhor o nosso legado que a aliança histórica protagonizada em Sergipe pelo próprio PT e as forças de esquerda;

Por sinal, outro desafio do PT, após 37 anos, é a necessidade de um vigoroso processo de renovação e evolução nas suas relações com a juventude, atingindo sua diversidade e pluralidade. Hoje, o PT, no seu atual formato, diminuiu a capacidade de diálogo com a juventude porque não apresenta mudanças e novas formas de diálogo e porque burocratizou os meios de acesso e de construção partidária;

Para enfrentar as forças golpistas, com extensão em estados e municípios, é fundamental que o Partido dos Trabalhadores em Sergipe esteja unido e aberto ao conjunto dos movimentos sociais, das forças progressistas e de sua militância, para inaugurar um novo momento de luta e enfrentamento do recrudescimento do ideário neoliberal da década de 90, que volta agora alicerçado por uma perversa aliança entre poderosos grupos midiáticos, elite financeira e uma semifusão entre setores do judiciário com o legislativo e com o executivo golpista.

Por isso, com unidade e com a responsabilidade que emoldura a história das lideranças do nosso partido, na defesa do nosso legado e nos desafios que se impõem para enfrentar as forças golpistas em atuação no País, nós, da MILITÂNCIA PRESENTE, PARTIDO FORTE, da EPS, da CNB, do PT CLASSISTA e do MOVIMENTO PT, apresentamos o nome do companheiro Rogério Carvalho como nosso candidato a Presidente Estadual do PT/Se e do companheiro Jefferson Lima como Presidente Municipal do PT/Aju.

E encerrando, entendemos que esta aliança se estabelece com o compromisso e meta inegociável de todos com os 13 pontos a seguir:

Fora Temer!;

Defesa da volta da legalidade e legitimidade Democrática: Diretas Já!;

Criar as coordenações territoriais no PT;

Ampliar de forma orgânica as relações com a rede de movimentos sociais;

Reorganizar e Resignificar os setoriais do partido;

Manter a transparência na gestão do Partido;

Construir um Calendário permanente de reuniões da executiva, do diretório e com a militância, bem como nas outras instancias do partido;

Adaptar a comunicação do partido as novas tecnologias;

Apresentar para o debate interno e posteriormente na sociedade uma síntese com os marcos civilizatórios universais que transversalise toda nossa luta política;

Dialogar qualificadamente com as novas agendas oriundas das pautas sociais;

Criar um grupo de trabalho eleitoral estadual;

Construir a campanha do presidente Lula;

Organizar o PT para 2018, definindo como candidato majoritário do Campo o companheiro Rogério Carvalho e define como candidatos a deputados federais os companheiros João Daniel e Márcio Macedo, ampliando também nossa bancada na Assembleia Legislativa.

Fonte: Assessoria 

Enium Soluções Digitais

Deixe seu comentário!

Para: PT define Rogério Carvalho para reeleição do partido e como nome para o Senado; João Daniel e Marcio Macêdo para Câmara Federal.

Deixe uma resposta