VALADARES DEFENDE A IMPORTÂNCIA DO VOTO PARA MUDAR O PAÍS

- Alexandre Pingo - - 14 de junho de 2018 | - 12:25 - - Home » Política - - Sem Comentários

A menos de quatro meses da eleição, o senador Antonio Carlos Valadares (PSB-SE) manifestou, na tribuna, sua preocupação com a desmotivação demonstrada por uma parcela dos brasileiros com o processo eleitoral. ​Ele destacou a importância do voto para a transformação do País.

Valadares citou pesquisa espontânea realizada pelo instituto DataFolha, mostrando que 23% do eleitorado ​tendem a votar em branco, nulo ou em nenhum dos candidatos à Presidência da República anunciados​ até agora. ​

Segundo ele, a atual crise de representatividade​ tem ​afastado o brasileiro da classe política. Mas, ressaltou que as urnas eleitorais são o caminho para a mudança que muitos esperam no Brasil.  ​”Subo ​ à tribuna para estimular o cidadão e lembrar do poder que o povo brasileiro tem de chamar para si o destino da Nação”, disse.

O senador acredita que é momento de analisar os que se apresentam. “Existem boas opções e os bons exemplos não devem empanar os maus”, lembrou.

Ele sugeriu que a internet seja uma aliada do povo na busca por informações que ultrapassam as propagandas eleitorais. “A biografia dos candidatos está ao alcance de um toque no celular. Na internet, é possível conferir se o discurso do postulante condiz com a prática adotada; avaliar seu comportamento em questões fundamentais, como o direito dos trabalhadores; e até mesmo se esse candidato está na mira da Justiça ou se é ficha limpa”, explicou.

Para o senador, não é hora de desanimar, mas sim de ir às urnas. “É hora de dizer não à política do discurso do dinheiro fácil e das dádivas efêmeras; dos que apelam para fórmulas escandalosas de negociar a vontade do eleitorado na campanha, para depois abandoná-lo”, frisou.

Por Assessoria de Imprensa (Brasília-DF)

Foto: Marcos Oliveira/ Agência Senado

Colégio Atena
Enium Criação de Sites

Deixe seu comentário!

Para: VALADARES DEFENDE A IMPORTÂNCIA DO VOTO PARA MUDAR O PAÍS

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *